Estudo sobre tarifa única para ônibus do Grande Recife em fase final

Vários protestos já foram realizados contra possível reajuste das tarifas. Maria Luisa Ferro/Jornal do Commercio

 

Um estudo técnico sobre a tarifa única – promessa de campanha do governador Paulo Câmara – será apresentada esta semana pelo Grande Recife Consórcio de Transporte (CTM) a representantes da sociedade civil que integram o Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM). É o que informa o representante dos estudantes no conselho, Márcio Morais, recebido nesta segunda no órgão, junto com os conselheiros Nael Antônio Vicente e Paulo Gustavo de Lima, ambos representantes dos usuários.

 

Leia Também

 

“Nós três pedimos um estudo técnico da tarifa única, mas já fizemos o nosso e o valor que atende a nossas expectativas é do anel A (R$ 3,20). Mas na reunião houve um indicador de que haverá aumento, embora o governo deseje implementar a tarifa única”, informa Morais. “Vamos confrontar os dados para viabilizar o melhor cenário possível”. Ainda não há reunião do CSTM agenda para discutir a tarifa. O governo apresentou informações à Justiça, que havia suspendido um possível reajuste, e aguarda posicionamento. Vários protestos já foram realizados.

O Grande Recife se limitou a informar que os conselheiros foram recebidos pelo diretor de Planejamento, Alfredo Bandeira, o qual informou que os estudos sobre a tarifa única estão sendo finalizados. “Esse é um assunto complexo, tendo em vista que temos algumas variáveis, como a existência de quatro tarifas, a extensão das linhas, entre outras questões”, afirmou.

 

Alfredo Bandeira também fez uma explanação sobre o Sistema Estrutural Integrado (SEI), integração temporal, licitação, falou da defasagem, evasão de receita, aumento de custos. “Foram informações para que tivéssemos uma maior compreensão do estudo técnico que virá”, observou Morais.

AS PROPOSTAS

Os três conselheiros apresentaram proposta para ser discutida na próxima reunião do CSTM de reajuste zero e tarifa única de R$ 3,20. A proposta dos empresários é de um aumento médio de 11,02%, que levaria o anel A R$ 3,20 para R$ 3,55; o anel B de R$ 4,40 para R$ 4,90; o D, de R$ 3,45 para R$ 3,85 e o G de R$ 2,10 para R$ 2,35. O Grande Recife ainda não divulgou o valor que defende.

Na última sexta-feira, após reunião do CSTM, o secretário das Cidades, Francisco Papaléo descartou a possibilidade de se aprovar o pedido dos empresários, visto que não cumpriram metas. Mas também afirmou que a tarifa única prejudicaria a maior parte dos usuários, pois 84,9% usam o anel A, que teria de ser aumentado. Nos bastidores, fala-se na possibilidade de não haver reajuste, estando sob avaliação o que traria menos ônus ao governo.

 

Fonte: Jornal do Commercio

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =

Seja bem vindo ao SINDMETAL-PE

WhatsApp